qualquer coisa
num verso intitulado mal secreto
 

12.10.06


[8:11 PM]

OUTUBRO: 12 filmes

Os Eternos Desconhecidos (Mario Monicelli /1958)
Uma comédia deliciosa. A história não é nada original (um assalto a banco), mas o tratamento dado às situações fazem toda a diferença. Diálogos e cenas engraçadíssimas, mostra aqui toda a qualidade que os italianos, ainda saindo de uma guerra e em estado de reconstrução, tinham para tornar cômico o que era para ser trágico.

Um Misterioso Assassinato em Manhattan (Woody Allen /1993)
Primeiro filme após o rompimento de Allen e Mia Farrow, reencontrando sua musa anterior, Diane Keaton, e provando, mais uma vez, que a parceria dos dois é sempre sinal de bons filmes. Aqui ele usa muitos elementos hitchcockianos, fazendo um suspense cômico da melhor qualidade, com um roteiro enxuto e mostrando vitalidade pura. Parece que o casamento tirou um peso das costas do diretor e o mundo oriental lhe deixou bem mais à vontade, relaxado mesmo. Ótima a intertextualidade com A Dama de Shangai, de Orson Welles, numa cena-homenagem que reproduz a sequência mais famosa do filme.

Terra de Ninguém (Terrence Malick /1973)

Caché (Michael Haneke /2005)
Ainda sob impacto, estou quase certo de que Haneke é um dos melhores diretores da atualidade. Sua capacidade de rendição do espectador é sigularíssima, coisa pra poucos. Estão lá todas suas características, desde a direção fria e os planos longos e abertos, com a câmera estática e o clima tenso da narrativa. Em Caché, o que mais me chamou a atenção (e me agradou, de fato) foi a ausência de respostas. Não há uma preocupação em esclarecer os pontos em questão, e a atmosfera nos dá a sensação de que estamos ali, sentados num canto da sala, observando todos aqueles fatos de perto, o que intensifica o desespero de quem os vê. É um filme denso, com um discurso contundente, que nos faz refletir e ainda conta com a presença de uma navalha, uma navalha que parece cortar muito mais do que aparenta.

Celebridades (Woody Allen /1998)
De início pensei que veria adaptado para o cinema um tablóide inglês neurótico e com tiques niilistas, mas este filme é, na verdade, uma história de ilusões amorosas passada em meio ao turbulento mundo dos famosos. Allen errou feio ao adotar o preto-e-branco, não é o tom ideal para caracterizar o tema (ou sub), que naturalmente exige brilho e cores. Mas dizem sempre que um filme menor do velho paranóico é sempre melhor que diversas outras opções, não tenho porquê discordar.

O Novo Mundo (Terrence Malick /2005)
Tão bom quanto um grito de campeão ao fim de um campeonato ou um brasileiro no pódio da F-1 é assistir a um filme dotado de méritos suficientes para ocupar o posto mais alto da preferência anual.
O Novo Mundo é um filmaço, necessito dizer sem rodeios. É certo que o cinema de Malick (que possui uma proximidade muito grande com os filmes de Antonioni - guardadas as devidas proporções - ora por adotar temáticas existencialistas, ora pela composição visual requintada de seus trabalhos) não é acessível para muitos, devido à narrativa lenta, sintetizada por imagens magníficas, que procura relatar no silêncio de suas personagens as aflições do homem diante o mundo ao redor. As perturbações da consciência humana perante acontecimentos grandiosos sempre estão em voga nos filmes do diretor (como em Além da Linha Vermelha, de Malick, ainda superior), que trabalha com o olhar (seja o mundo, seja o próximo) de maneira incrivelmente bela. Veríssimo num de seus contos diz que há duas coisas para se fazer no escuro. Uma delas é ver um filme, outra, ver um grande filme. O Novo Mundo
se encaixa nesta última, com louvor.

Dália Negra (Brian De Palma /2006)
Entrei no cinema disposto a colocá-lo no topo da lista de melhores do ano, e estava consciente da decisão até os 20 minutos finais (e, diga-se de passagem, sorrindo de ponta a ponta pelo belo trabalho cinematográfico que é este filme, o que já era de se esperar em se tratando de De Palma) onde a história passa por uma turbulência e um amontoado de informações é despejado na tela, sem um cuidado maior em explicitar certas situações que ficam pairando no ar. Tirando este deslize, o que vemos é um ótimo filme, reconstituindo fielmente os fins da década de 40 (uma L.A. filmada num tom quase sépia) com seqüências e passagens dignas de citações, como os tiroteios na escada e na rua e a apresentação da personagem de Scarlett Johansson (um pitéu de piteira e loiríssima). A narração em voz over também me agradou bastante, assim como a trilha sonora jazzistica e o elenco. Infelizmente não ocupará o posto antes desejado por mim, mas defendê-lo-ei nas conversas de bar, certamente.

Árido Movie (Lírio Ferreira /2005)

Uma boa diversão, principalmente graças ao trio comandado por Selton Mello regido a muita maconha e diálogos engraçados. O roteiro é simpático, mesmo que em parte precise de alguma costura (a personagem de Giulia Gam não se justificou até hoje) e uma dinâmica mais distribuída. Em se tratando de sertão, Cinema, Aspirinas e Urubus se sai infinitamente melhor, mesmo com contextos e questões distintas.

Quarteto Fantástico (Tim Story /2005)
É aquele esquema Hollywood até o talo, sem rodeios; infelizmente os filmes baseados em quadrinhos perderam a originalidade que outrora possuíram, e hoje em dia abusam da receita do sucesso fácil, (os mais visados, como Homem-Aranha, ainda mantém o bom nível do texto) sem obstáculos, já que a marca Marvel ainda leva multidões aos cinemas. Só que a falta de espontaneidade que o filme exala desde o início cansa, e o argumento fica mais previsível do que novela da Globo, onde só o elenco muda. Nem mesmo Jessica Alba salva como colírio, em Sin City - Cidade do Pecado está infinitamente mais deliciosa.


Ghost World - Aprendendo a Viver (Terry Zwigoff /2001)
E lá vou eu mais uma vez desafiar meus instintos relapsos e gastar a nota da arara no famoso bacião das Lojas Americanas com um filme aparentemente bom, com aura de cult e Scarlett Johansson na capa. Infelizmente não era Encontros e Desencontros (até porque quem ilustra a embalagem deste é Bill Murray) apesar de possuir fatores em comum com Ghost World, exceto o primordial: qualidade. O problema essencial do filme em questão é a maneira insolente de se desenvolver, sem nenhum cuidado em desbravar a natureza e o universo incrivelmente rico de suas personagens, e para isso não há indulgência. O que vemos é um rabisco de personagens estranhos que vivem num submundo e têm um quê misantropo, mas isso vemos todos os dias, basta uma olhada no espelho, certo? Faltou pungência, faltou um cuidado maior com o roteiro que não permitisse a obviedade que tonifica o filme, com todos os estereótipos a que tem direito. Meu pesar maior não é nem o filme não ser bom, e sim a Americanas não aceitar devolução. Uma pena.

O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (Glauber Rocha /1969)

Repulsa ao Sexo (Roman Polanski /1965)
Já começa com um close no inquieto olho de Catherine Deneuve (uma belezoca, novinha, novinha e fazendo as honras da casa com maestria) e inclina-se a estudar uma mente reprimida, açoitada a todo instante por valores e situações que só agravam sua situação instável. É um grande suspense psicológico, denso e sombrio, como Polanski só voltaria a repetir três anos após, com o igualmente superlativo O Bebê de Rosemary, e nunca mais.




 


é isso aí, bicho

 



[7:24 PM]



Chamei os amigos para gravar em Londres. Os arranjos são de Jards Macalé, Tutti Moreno, Moacyr Albuquerque e Áureo de Sousa. Não saíram na ficha técnica e eu tive a maior briga com meu amigo que fez a capa. Como é que bota essa bobagem de dobra e desdobra, parece que vai fazer um abajur com a capa, e não bota a ficha técnica? Era importantíssimo. Era um trabalho orgânico, espontâneo, e meu primeiro disco de grupo, gravado quase como um show ao vivo. Foi Transa que que me deu coragem de fazer os trabalhos com A Outra Banda da Terra. Tem a Nine out of Ten, a minha melhor música em inglês. É histórica. É a primeira vez que uma música brasileira toca alguns compassos de reggae, uma vinheta no começo e no fim. Muito antes de John Lennon, de Mick Jagger e até de Paul McCartney. Eu e o Péricles Cavalcanti descobrimos o reggae em Portobelo Road e me encantou logo. Bob Marley e The Wailers foram a melhor coisa dos anos 70. Gosto do disco todo. Como gravação, a melhor é Triste Bahia. Tem o Mora na Filosofia, que é um grande samba, uma grande letra e o Monsueto é um gênio. Me orgulho imensamente deste som que a gente tirou em grupo.



 


é isso aí, bicho

 

 


[ eu ]

samuel lobo
24
brasil
 


[ leio ]

caderno do cinema
filmes do chico
mesmas letras
trabalho sujo
chip hazard
superoito
passarim
 
[ visito ]

cinética
ilustrada
cinema em cena
IMDb
 
[ estante ]

last.fm
twitter
rym
mail
 
[ arquivos ]

Novembro 2005 Maio 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Novembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Junho 2012