qualquer coisa
num verso intitulado mal secreto
 

25.7.11


[10:11 PM]

O sumiço tem motivo: dias estranhos. E corridos, trabalhando na equipe de produção de um longa-metragem e dirigindo, junto com alguns amigos, o curta-metragem O Quarto Conto, episódio noturno sobre um homem ameaçado. Reflexo dos meus tempos? Agora, já um pouco distante, vejo que cabe o paralelo. Mas o certo é que o tempo longe deste espaço me fez falta – ainda faz. É bom escrever aqui, derramar esboços para quem olha mas não me pode alcançar. Gosto de ter mudado. A facilidade de expressão da infância foi progressivamente sendo substituída por um silêncio espaçoso, cuja ausência de palavras promove os mais insólitos pensamentos. Passando de fases, perdendo anos, colhendo histórias e me servindo de doses homeopáticas de quietude. Da boca fui aos olhos. Silêncio de não saber o que dizer. Roubar da cana a doçura do mel. Num muro pelo qual passei, uma pichação dizia que a saliva é o suor das palavras não ditas, e se for assim, meus pensamentos são os esforços retidos de todos os beijos que não roubei, dos atos que só foram escritos no meu travesseiro, enquanto dormia. Como um amigo meu falou dia desses, chega de pensar (em saudade). Sou eu e é o cinema: ação.

Tangendo o ponto mais elevado do barato, no meio do rio, entre as árvores, uma imagem: falava e me via, me ouvia, como quem escuta a própria voz num registro de áudio e repudia a entonação, o volume, os contornos, o sotaque, toda a modulação vocal que caracteriza nossa personalidade. O negócio me arrepiou. Desde então tenho sentido um distanciamento entre corpo e ideias, dois que não se entendem, tal qual um personagem brechtiano, político por excelência, que deseja viver fora do racionalismo, das linhas geométricas, das formas definidas. Afastado tanto da realidade como do meu próprio corpo. Crescer é desapegar de si mesmo? A sensação que carrego no bolso é a de duas placas tectônicas se distanciando, elevando a maré, espantando os peixes, buscando caminhos opostos e ferindo quem estiver pelo caminho. Se antes o deboche e a expressão espalhafatosa da Tropicália preenchiam as mesas de todos os bares das minhas ruas, agora é o silêncio e o sublime do Clube da Esquina que tocam o pedaço, porque, convenhamos, não há nada mais bonito que o falsete do Milton Nascimento. Ou há: o cheiro que a sua carne rósea deixa nos meus dedos quando acordo.

É a necessidade de falar que me mantém cada vez mais calado, reticente, evasivo, só olhar. Espero por cervejas na varanda, banhos em ribeirão, horas gastas de intimidade e andar junto, a pé. Um tom de azul pela manhã. Por isso a importância disso aqui. Escrevo para ser lido principalmente por mim mesmo, para tentar encontrar o que há de mim nas palavras. Como Fabiano, o vaqueiro de Graciliano, olha para si e diz: - Você é um bicho, Fabiano. Calo, não falo, deixo sangrar. Se não soubesse as palavras certas seria mais fácil, porque calar é difícil, embora o silêncio revele o mundo. O Balthazar de Bresson. O Judas de Caravaggio, a expressão da dor. Goya: a razão cria monstros. Não me peça para falar, não espere nada de mim. Um beijo partido no incêndio dos seus cabelos. A hora é de falar pouco, quase nada, dois sussurros e um olhar: como um bicho, Fabiano.



 


é isso aí, bicho

 

13.7.11


[5:07 PM]

No dia do rock, Bardot





 


é isso aí, bicho

 

7.7.11


[2:43 PM]




 


é isso aí, bicho

 

 


[ eu ]

samuel lobo
24
brasil
 


[ leio ]

caderno do cinema
filmes do chico
mesmas letras
trabalho sujo
chip hazard
superoito
passarim
 
[ visito ]

cinética
ilustrada
cinema em cena
IMDb
 
[ estante ]

last.fm
twitter
rym
mail
 
[ arquivos ]

Novembro 2005 Maio 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Novembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Junho 2012