qualquer coisa
num verso intitulado mal secreto
 

17.12.07


[12:49 AM]

Alguns filmes vistos e revistos nas últimas duas semanas, de 0 a 5 estrelas:



Ajuste Final (Miller’s Crossing, Joel & Ethan Coen /1990) - * * * * *

Os Donos da Noite (We Own the Night, James Gray /2007) - * * * * *

O Ritual dos Sádicos (José Mojica Marins /1970) - * * * *

Sympathy for The Devil (idem, Jean-Luc Godard /1968) - * * * *

Tragam-me a Cabeça de Alfredo Garcia (Bring Me the Head of Alfredo Garcia, Sam Peckinpah /1974) - * * * *

Medos Privados em Lugares Públicos (Coeurs, Alain Resnais /2006) - * * * *

Império dos Sonhos
(Inland Empire, David Lynch /2006) - * * * *

Uma Mulher é Uma Mulher (Une Femme est Une Femme, Jean-Luc Godard /1961) - * * * *

Meteorango Kid, o Herói Intergaláctico (André Luiz Oliveira /1969) - * * *

Cão Sem Dono (Beto Brant e Renato Ciasca /2007) - * * *

Antes Só do que Mal Casado (The Heartbreak Kid, Peter & Bobby Farrelly /2007) - * * *

Planeta Terror (Planet Terror, Robert Rodriguez /2007) - * *

A Via Láctea (Lina Chamie /2007) - 0

na foto: Os Stones encontram Godard no banquete dos mendigos em pleno 1968.




 


é isso aí, bicho

 

9.12.07


[5:28 AM]

Your circuit's dead, theres something wrong...




... can you hear me, Major Tom?



 


é isso aí, bicho

 

7.12.07


[6:49 PM]

Isto é José Agrippino de Paula:


“Eu acendi a luz do quarto e vi na parede a marca do corpo dela deixado pelo suor. Eu olhei para o chão e vi algumas gotas de esperma e uma mancha na mala. Limpei o chão com a toalha e esfreguei a toalha na mala. A mala estava entreaberta e eu pensei que eu poderia ter molhado as roupas. Retirei as roupas, mas não estavam molhadas; somente a calcinha do biquíni que ela havia deixado cair no chão estava respingada de esperma. Eu limpei com a toalha o biquíni e verifiquei se o soutien estava molhado, e, finalmente, a parede. A parede guardava uma marca úmida de suor das costas e das nádegas dela. Eu saí do quarto, apaguei a luz e entrei no banheiro iluminado. Lavei o rosto e joguei a toalha na pia. Eu apontei para o final da praia onde estava situado o rochedo e eu e ela continuamos caminhando. O céu azul servia de fundo para o rochedo que penetrava no mar. Eu e ela subimos no rochedo e descemos a longa pedra que se introduzia inclinada na água do mar. A espuma branca explodiu para o alto batendo no rochedo. Eu mostrei para ela um grupo de pedras escuras e disse que lembrava o excremento de um animal. Eram pedras escuras e verdes que se amontoavam umas sobre as outras. A água verde do mar deslizava sobre as pedras escuras, penetrava nos cantos das pedras e escorria retornando para o mar. Marilyn Monroe pediu o maço de cigarros e eu retirei do calção enquanto ela se estendia no dorso da pedra. Ela estava com um biquíni minúsculo e ela expunha a sua pele branca ao sol. Eu via ao longe as grandes massas de água avançando e batendo na pedra. Eu deitei ao lado de Marilyn Monroe e perguntei se ela queria que eu passasse óleo de bronzear. Ela respondeu com um movimento de cabeça e voltou a recolocar o cigarro na boca. Eu destampei o vidro e despejei um pouco de óleo de bronzear na minha mão. Eu esfregava o óleo na barriga de Marilyn Monroe, nos ombros, no rosto; e depois eu disse para ela virar de costas. Ela virou lentamente de costas e apoiou o rosto nos braços. Eu passei óleo de bronzear nas costas de Marilyn, e depois deitei ao seu lado. A minha cabeça estava inclinada e eu via o rochedo como uma enorme massa de carne imóvel se introduzindo na água do mar. A espuma branca explodia para o alto e salpicava de pequenas gotas o dorso imenso da pedra. A água corria entre as pedras e se distribuía entre os vãos, e escorria fervendo para o mar. A imensa massa líquida verde continuava enviando lentamente a série de pesadas ondas que se aproximavam do rochedo. Eu olhava para as pedras que pareciam ter uma consistência pastosa e pareciam ter sido jogadas do alto. Depois, o rosto de Marilyn Monroe estava muito próximo do meu e a pele branca irradiava a luminosidade do sol. Eu vi muito próximo dos meus olhos o nariz, a boca, os olhos, os pêlos da sobrancelha e os poros. O rosto era recortado pela luz azul e brilhante do céu. Ela movimentou a boca lentamente e eu vi os dentes aparecendo, a língua e depois os lábios se fecharam. Eu sentia a mesma desproporção da natureza, e o rosto de Marilyn Monroe iluminado pela luz azul do céu, e eu via as dimensões gigantescas da boca, do nariz e dos olhos fechados.”


Panamérica
, 1967



 


é isso aí, bicho

 

 


[ eu ]

samuel lobo
24
brasil
 


[ leio ]

caderno do cinema
filmes do chico
mesmas letras
trabalho sujo
chip hazard
superoito
passarim
 
[ visito ]

cinética
ilustrada
cinema em cena
IMDb
 
[ estante ]

last.fm
twitter
rym
mail
 
[ arquivos ]

Novembro 2005 Maio 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Novembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Junho 2012