qualquer coisa
num verso intitulado mal secreto
 

19.8.09


[12:48 AM]

A previsão para o dia de folga era de tempo quente, término de um dos livros, três filmes no cinema e uma boa janta na mesa. Como já era de se esperar, todos os compromissos ficaram pela metade. Ainda vou me conformar com a decisão que meu organismo sempre toma, arbitrariamente, nos dias em que não trabalho, de deixar o corpo em repouso, fazendo o mínimo de esforço possível. O dia foi nublado, li os habituais 95% do livro e o joguei de lado, vi apenas um filme e terminei com um Miojo de galinha caipira no prato. Pelo menos isso. Nunca curti o de carne. E tenho comigo que, se nem o Miojo é bom, é porque as coisas não vão nada bem. Mas enfim.

Fui ver Se Nada Mais Der Certo, do José Eduardo Belmonte, que entrou em cartaz após dois anos de atraso. O cara também fez A Concepção, um filme que tratava do caos que permeia as ruas das metrópoles brasileiras e na reverberação desse caos sobre as pessoas. É sujo, intenso, com aquela câmera tremida que procura refletir o estado de espírito desgovernado de um ambiente que se despedaça lentamente. A abordagem dos dois filmes é semelhante, mas A Concepção é mais enxuto, com uma fluência de ritmo mais bem trabalhada.

O elemento central da narrativa que motiva a ação de vários personagens de ambos os filmes também é similar, e parece ser o principal ponto de discussão do cinema de Belmonte: a questão da perda de identidade. A Concepção era radical em sua proposta de demolição de uma sociedade civil vinculada às leis do sistema vigente, e propunha a criação de um meio de vida independente, desbundado e que fosse de encontro à moral cristã do Estado. O primeiro feito transgressivo rumo à liberdade individual era queimar a carteira de identidade.

Se Nada Mais Der Certo é mais maleável na proposta, embora todos os personagens sofram da mesma crise e seus atos sejam resultados diretos dessa turbulência interior. Não é à toa que a personagem de Carolina Abras, o andrógino Marcin, seja um ser de comportamento e visual indefinidos. Belmonte confere a essa conjuntura de busca desenfreada uma carga de tensão própria do submundo, onde a montagem dinâmica e entrecortada ajuda a minimizar a excessiva duração do filme. Podia ter fácil uns 20 minutos a menos. Mas a força com que amarra a relação entre seus personagens, perdidos numa selva de pedra fria e indiferente, verdadeira paulicéia desvairada, se sobressai e acaba soando como um aceno esperançoso para retratos tão destrutivos, prisioneiros de sucessivos fracassos e crescentes frustrações.

Belmonte avança outro passo em direção a um cinema que busca a verdade das ruas, negando artificialismos e se ancorando numa proposta verossímil de realidade objetiva. É uma forma de expressão que o cinema nacional atual insiste em negar ou tratar de forma derivativa, falsa, maquiada. Ainda que irregular, Belmonte começa a empregar consistência no projeto de cinema que vem delineando, incômodo e imperfeito, porém honesto.

Superior ao seu predecessor, Se Nada Mais Der Certo habita, juntamente com Moscou, o oásis de qualidade que se formou em meio ao deserto do nosso circuito ficcional em 2009. Possui a coragem e a pulsação que escapa ao peito dos demais cineastas brasileiros contemporâneos, afogados em meio a um mar de comodismos e soluções fáceis e esquecidos de que, para fazer cinema, é preciso estar sempre atento e forte.



 


é isso aí, bicho

 

10.8.09


[3:23 PM]

"Mas a nossa viagem era diferente. Era uma afirmação clássica de tudo que é correto, verdadeiro e decente no caráter nacional. Era uma saudação grosseira e material às possibilidades fantásticas da vida neste país - disponíveis apenas para quem realmente tem coragem. E isso nós tínhamos de sobra."



 


é isso aí, bicho

 

 


[ eu ]

samuel lobo
24
brasil
 


[ leio ]

caderno do cinema
filmes do chico
mesmas letras
trabalho sujo
chip hazard
superoito
passarim
 
[ visito ]

cinética
ilustrada
cinema em cena
IMDb
 
[ estante ]

last.fm
twitter
rym
mail
 
[ arquivos ]

Novembro 2005 Maio 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Novembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Junho 2012