qualquer coisa
num verso intitulado mal secreto
 

26.4.11


[12:11 PM]

Se a literatura morrer, será por assassinato

Aqueles que não leram bem ou não compreenderam McLuhan podem pensar que é da natureza das coisas que o audiovisual substitua o livro, já que ele mesmo comporta tantas potencialidades criadoras quanto a literatura defunta ou outros modos de expressão. Isto não é verdade. Com efeito, se o audiovisual chegar a substituir o livro, não será enquanto meio de expressão concorrente, mas enquanto monopólio exercido por formações que sufocam também as potencialidades criadoras do próprio audiovisual. Se a literatura morrer, será necessariamente de morte violenta e assassinato político (como na URSS, mesmo que ninguém o perceba). A questão não é a de uma comparação entre gêneros. A alternativa não é entre a literatura escrita e o audiovisual. É entre as potências criadoras (no audiovisual assim como na literatura) e os poderes de domesticação. É muito improvável que o audiovisual consiga condições de criação se a literatura não salvar as suas. As possibilidades de criação podem ser muito diferentes segundo o modo de expressão considerado, nem por isso deixam de comunicar entre si, na medida em que todas juntas devem opor-se à instauração de um espaço cultural de mercado e de conformidade, isto é, de "produção para o mercado".

Um bom dia de Gilles Deleuze



 


é isso aí, bicho

 

12.4.11


[12:53 AM]

Um prólogo para envelhecer todos os outros. Isto é Ernst Theodor Amadeus Hoffmann:

"Será que me é permitido, benevolente leitor, perguntar-lhe se em sua vida não houve momentos, até dias ou semanas, nos quais o rame-rame do cotidiano o desmoralizasse completamente, nos quais tudo o que parecia dar um valor e um sentido à sua existência e a seu pensamento lhe soasse ridículo e fútil? Você mesmo não sabia então o que fazer nem a quem recorrer; o seu coração excitava-se com o obscuro pressentimento de que em algum lugar e em algum instante seria satisfeito um desejo imenso, superior a qualquer prazer terreno, desejo que o espírito, como uma criança dócil e tímida, nem mesmo ousava formular; nessa nostalgia por algo desconhecido e sempre presente como um sonho vaporoso, cuja transparência escapasse a seu doloroso olhar, você permanecia indiferente a tudo o que o cercava. Com os olhos esgazeados, você vagava como um amante sem esperanças, e toda a desordenada agitação humana a seu redor não lhe despertava dor nem alegria, como se você não pertencesse mais a este mundo. Se você, prezado leitor, alguma vez foi invadido por essa sensação, então compreende por experiência própria o estado em que se encontrava o estudante Anselmo."


O Vaso de Ouro, 1812.



 


é isso aí, bicho

 

1.4.11


[5:52 PM]

Fui conferir a exposição com os trabalhos televisivos feitos pelo Andy Warhol no fim dos anos 70 e início dos 80, certamente a faceta menos explorada de um dos mais assediados artistas da segunda metade do século passado. Olhando para aquele material com o privilégio da distância, duas coisas acabam saltando aos olhos: não é um equívoco notar que muito da linguagem popularizada pela MTV em seu início germinou a partir das experimentações com a tevê feitas por Warhol, como o clipe tosco de Heart of Glass, do Blondie, as novelas suburbanas e politicamente incorretas idealizadas com poucos recursos e os programas de entrevistas, soltos e descontraídos ao contrapor a seriedade que pautava as entrevistas feitas pelas grandes emissoras da época com uma entrega e uma curiosidade que beira o lúdico, de tão juvenil.

Essa fome de conhecimento, aliás, foi o que mais me chamou a atenção nos vídeos da exposição. É notória a disposição de Warhol de navegar em diversos fluxos diferentes, abordando temas e pessoas das mais opostas posições. Dos travestis viciados em heroína às madames do Upper East Side, Warhol não faz distinção de cor ou classe desde que a pessoa se mostre interessante (ou, eventualmente, se imponha pela beleza). Tendo uma boa história, tens atenção e coração do albino maluco. E nessa jogada, entram momentos deliciosos: Spielberg na cama ao lado de Bianca Jagger confessando que não curte o cinema noir europeu; Sting contando as origens de seu apelido, no auge do Police; um colóquio animado com o jovem Basquiat; Divine, a bolha escatológica, se maquiando antes de entrar em cena num filme de John Waters; um papo com o papa Marcel Duchamp e outras mumunhas mais. O cara atirava para todos os lados. Por ter um repertório de interesses tão vasto, é natural que algumas coisas nos distraiam ou não chamem a atenção, como é o caso dos vários programas sobre moda, por exemplo.

A contribuição de Warhol para a popularização das manifestações artísticas no contexto da sociedade de massas é inquestionável, mesmo que sua produção seja contestada de quando em vez por um ou outro que teima em falar sobre publicidade. O que resume não só a exposição que se encerra por esses dias no Oi Futuro como também a carreira do próprio artista, é uma frase dita por ele que lembro de ter visto num trecho do documentário Outros (Doces) Bárbaros, onde Gil e Caetano, em um daqueles devaneios baianos recheados de pérolas, lembram do homem que queria morrer de jeans: “Ser pop é gostar das coisas”. Então tá combinado. Antes fosse tão simples ser assim.

Outras duas exposições com coisas muito interessantes que vi esses dias foram sobre Raymundo Colares, uma das mais criativas vozes da nossa pop art, e outra sobre os últimos trabalhos de Rubens Gerchman, mais conhecido como o pai da Lindonéia.

Nunca tinha ouvido falar em Raymundo Colares, outro conterrâneo que se estabeleceu no Rio e depois rodou o mundo inteiro (ainda chego lá, aguardem). Nos anos 60 e 70, fez trabalhos retratando a cidade fragmentada, intensa e vibrante. Sua coleção Ônibus, com quadros representando espaços quebrados e cores fortes, reflete o olhar recortado do artista sobre o caos urbano, dilatando formas e deformando nossa noção de dimensão. Sobre ela, Colares certa vez disse: “O ônibus é como um homem que tem uma trajetória a cumprir e o fará de qualquer maneira, apesar de encontrar em sentidos opostos outras forças. E tentará vencer, forçando trajetórias contrárias e barreiras, já que fazem parte da vida essas ultrapassagens”. Bom, né? Os Gibis também são um barato, livros em branco feitos de cartolina colorida que procuram explorar camadas e formas diferentes à medida que se interage com eles, lembrando um pouco os trabalhos de Lygia Pape. Mais ou menos assim, ó:
Era apaixonado por Mondrian e foi colega de Helio Oiticica. Mineiro, mulato nato, morreu queimado numa cama de hospital, após ser vítima de uma daquelas tenebrosas ironias do destino ao ser atropelado violentamente em uma avenida movimentada por um... ônibus.

Para terminar, porque a sessão ia começar, fui dar uma rápida espiada nos trabalhos que Rubens Gerchman fez em seus últimos anos de vida, a grande maioria deles em serigrafia. O traço não é lá muito refinado, mas o uso das cores e a riqueza de tons impressionam pela beleza com que preenchem o espaço. Mas o que mais me atraiu no salão reservado para as derradeiras obras de Gerchman foi, na verdade, sua mais famosa criação, já quarentona (veio ao mundo em 1966): a esquecida Lindonéia, jovem de 18 anos que morreu instantaneamente. Assim que entrei no lugar meus olhos foram atraídos como um ímã para o ponto mais distante da entrada, onde ela repousa em sua solidão dilacerante - a Gioconda dos subúrbios. Por essa eu não esperava: em plena quinta-feira, um amor impossível.





 


é isso aí, bicho

 

 


[ eu ]

samuel lobo
24
brasil
 


[ leio ]

caderno do cinema
filmes do chico
mesmas letras
trabalho sujo
chip hazard
superoito
passarim
 
[ visito ]

cinética
ilustrada
cinema em cena
IMDb
 
[ estante ]

last.fm
twitter
rym
mail
 
[ arquivos ]

Novembro 2005 Maio 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Novembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Junho 2012