qualquer coisa
num verso intitulado mal secreto
 

26.2.07


[4:47 AM]

SOBRE O OSCAR 2007



... sem mais.



 


é isso aí, bicho

 

6.2.07


[8:26 PM]

FEVEREIRO

Cartas de Iwo Jima (Clint Eastwood /2006)
A sensação de sair de uma sala de cinema após um filme de guerra comandado por Clint Eastwood é de que nós, homens, nascemos para degustar quatro pratos: inteligência, futebol, mulher e um filme de guerra comandado por Clint Eastwood. Como se não bastasse, a sobremesa dessa vez veio do oriente, numa extensão do projeto oficial de narração da batalha de Iwo Jima, no Pacífico, durante a II Guerra Mundial. O filme coloca os japoneses nos papéis principais e a perspectiva desses durante o conflito, todo fotografado num cinza seco, quase sufocante, onde vários sentimentos são colocados em choque. Ao contrário das limitações que A Conquista da Honra possui e que talvez sejam seu maior agravante, em Cartas de Iwo Jima o velho Eastwood mostra total liberdade na construção de uma história densa (e até então inexplorada nas telas), ancorada num roteiro equilibrado e coeso, que tem ainda na atuação de Ken Watanabe um ponto alto. Era o filme do Oscar.

Maldição (Fritz Lang /1950)
Produção pouco comentada do diretor austríaco, Maldição foi um de seus inúmeros filmes rodados nos EUA (daí a notável semelhança com certas produções americanas, dentre elas a mais significante é Rebecca, o primeiro filme fora da Inglaterra realizado por Hitchcock, que também é um filmaço) e não obteve sucesso crítico à época. Lidando bastante com a iluminação e privilegiando o efeito das sombras, Lang fez um filme com uma atmosfera sombria, densa, rodado quase que inteiramente dentro de um mesmo cenário e com uma atuação perversa de Louis Hayward, diabólico no papel principal.

Amor à Flor da Pele (Wong Kar-Wai /2000)
Antes de mais nada é melhor confessar que eu fico chapado com Wong Kar-Wai. Tudo nesse filme contribui para minha embriaguez: a elaboração de uma estética plástica, que realça cores quentes e vai ao encontro da personalidade das personagens; a trilha sonora, inserida nos momentos certos, que faz da compra de macarrão na esquina um acontecimento épico; os olhares amendrontados e inseguros de quem não sabe o que esperar do futuro e acaba preso ao passado, fantasiando amores que não viveu; a cumplicidade mútua de duas pessoas desconhecidas, amantes não correspondidos que encontram na desilusão do outro o conforto que sempre buscaram; mas, principalmente, o que me deixa mais entorpecido no cinema do chinês, é a ponte que seus filmes estabelecem com o espectador - ali na tela, aquele que quer se apaixonar, que procura a pessoa ideal e que sente o vazio de viver, é você.

A Conquista da Honra (Clint Eastwood /2006)
Não conseguia parar de esperar uma obra-prima antes de assistir ao novo filme do Clint. Todos os cadernos culturais de jornais, revistas e escritos da atualidade estamparam a famosa foto de guerra que serve de mote ao argumento do filme em suas capas nas últimas semanas, e, mesmo que prefira entrar no cinema com o mínimo de informações possíveis sobre a história, foi dificílimo passar imune aos textos sobre o projeto de guerra do velho Dirty Harry. A narrativa constrói-se a partir da famosa foto tirada em Iwo Jima por soldados americanos, e em seu âmago desenvolve-se a discussão a respeito do verdadeiro sentido heróico dos soldados e o papel da imprensa americana para consolidar tal formação. O filme fica aquém das expectativas justamente por ser limitado em seu discurso iconoclasta (espero ansiosamente por Cartas de Iwo Jima, tenho a sensação de que é o filme do ano), não expandindo os horizontes ricos de personagens que freqüentaram grandes guerras. As cenas de batalha são um espetáculo visual à parte, e sendo dotadas de uma veracidade pungente, mostram que há vida (e morte) após o resgate de Ryan. Ainda bem.

Zabriskie Point (Michelangelo Antonioni /1970)
Escrevi umas treze linhas há 10 minutos e nenhuma me pareceu suficientemente digna de representar uma palavra ou sensação que seja sobre o que vi. E até agora não sei o que dizer. Ficarei calado como gesto de respeito e por pura devoção, acontecimentos assim são raros nas nossas pobres vidas, porém o impacto causado por eles é devastador.

Roma, Cidade Aberta (Roberto Rossellini /1945)
Existem certos filmes que, por figurarem constantemente em listas como fundamentais para uma formação cinéfila, acabam criando em torno de si uma expectativa que age até mesmo inconscientemente - tenho ciência da importância de Rossellini para o cinema, mas tal fato nunca fez com que eu me aproximasse de sua filmografia (creio que seja um equívoco), e Roma, Cidade Aberta não fez jus à uma possível reversão nesse quadro. O que ficou evidente para mim ao término do filme foi a ação fatal do tempo - o impacto que gerou quando exibido na Itália pós-Guerra não resistiu às seis décadas que a narrativa vem atravessando. A despeito disso, há ainda um resquício de força em certas seqüências e no discurso libertário do diretor italiano, que, apesar da sensação de partida perdida, ainda mostram que há um campeonato inteiro pela frente.

A Criança (Jean-Pierre e Luc Dardenne /2005)
O filme dos irmãos Dardenne é extremamente objetivo, um cinema direto, quase lacônico, e filmes com esse diferencial só são bem sucedidos quando há talento para lidar com a força das imagens – coisa que os belgas têm de sobra. A história foca o período de transição do jovem prestes a se tornar adulto, quando o peso da responsabilidade e as desilusões passam a inquietar o novo-homem e uma estrada tortuosa se abre à sua frente. Levou a Palma de Ouro em Cannes merecidamente, e sendo o filme honesto que é, - longe de julgar suas personagens ou suas ações - mostra que com uma câmera na mão e uma idéia na cabeça (nesse caso duas) ainda se faz bom cinema.


Sympathy For The Devil (Jean Luc-Godard /1968)

O início da fase política de Godard é marcado por esse encontro com a banda inglesa - ainda com Brian Jones vivo - em estúdio durante as gravações da música homônima que acabou se tornando um clássico dos Stones. Em 1968, certamente um dos anos mais significativos da história contemporânea, o mundo assistiu à reformulação de certos valores e conceitos antes estabelecidos, e a arte pensou que aliada à política poderia representar de maneira engajada os anseios de uma juventude com grandes ambições. Os Panteras Negras, o maio francês, o jovem e o mundo, a literatura, a música, tudo isso é despejado no caldeirão de idéias e tratado com grande vivacidade por Godard. Mais do que um simples documento histórico de valor considerável, Sympathy For The Devil é também um cinema que procura refletir, instigar, questionar, e isso, convenhamos, é muito mais interessante.



 


é isso aí, bicho

 

5.2.07


[3:24 AM]

11 músicas para ouvir enquanto o planeta se derrete

e ninguém faz nada.




 


é isso aí, bicho

 

 


[ eu ]

samuel lobo
24
brasil
 


[ leio ]

caderno do cinema
filmes do chico
mesmas letras
trabalho sujo
chip hazard
superoito
passarim
 
[ visito ]

cinética
ilustrada
cinema em cena
IMDb
 
[ estante ]

last.fm
twitter
rym
mail
 
[ arquivos ]

Novembro 2005 Maio 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Novembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Junho 2012