qualquer coisa
num verso intitulado mal secreto
 

21.1.07


[3:47 AM]

JANEIRO: 10 filmes

Babel (Alejandro González Iñarritú /2005)
Penso que qualquer pessoa que tenha um mínimo senso crítico conseguirá a façanha de perceber que Babel não é um bom filme. Um Crash redux, com abalos emocionais calculados e mais nada. Duas horas e alguns minutos onde você é redimido de seus pecados observando o sofrimento de todos os personagens da história e, de acordo com as intenções de seus realizadores, trabalhando numa auto-análise de seus atos e atitudes (não funcionou comigo, baby, tente outra vez). Tenho grande simpatia pela maneira com que o diretor mexicano realiza seus filmes, acho Amores Brutos e 21 Gramas um cinema de qualidade (embora não sejam filmes que se possam ver mais de uma vez) e estava com boas expectativas para com Babel. Acontece que é tudo convencional demais, um mais-do-mesmo bobo, inócuo, onde o importante é fazer com o que o espectador chore, saia do cinema arrasado psicologicamente e pensando “oh, mundo tão desigual”. De desgraças estamos fartos. O que resta é o que aprendemos com tais desacertos da vida, e isso, de fato, não está no discurso burocrático e vazio de Babel.

Pequena Miss Sunshine (Jonathan Dayton e Valerie Ferris /2005)
Um dos aspectos mais interessantes do atual cinema americano é justamente a desmistificação do famigerado ideal do american way of life. Beleza Americana veio para despir todos os conceitos antes relativos à sociedade de primeiro mundo, e a família, que antes era tida como perfeita e idealizada feito comercial de margarina passou a ter problemas e dificuldades existenciais. Vimos então a racionalidade entrar em jogo e os problemas das relações sócio-humanas renderam bons textos. Pequena Miss Sunshine é alegre, divertido, ácido e ao mesmo tempo lírico, um filme onde há espaço para todos os tipos e talvez por isso tenha tido uma aceitação tão boa. Não fosse Os Excêntricos Tenenbaums, seria um retrato fiel e definitivo da família moderna.


Sonata de Outono (Ingmar Bergman /1978)
O maior psicólogo dos cineastas, o sueco verte para as fronteiras de Freud (mais uma vez) ao promover uma turbulenta análise da relação entre mãe e filha após sete anos de separação. As cores fortes e a direção de arte caprichada estabelecem um paralelo com as personalidades em jogo das duas mulheres, expostas quase que exclusivamente durante toda a projeção e mostrando em que consiste a arte de atuar: num certo momento, quando Liv Ullman despeja-se emocionalmente sobre Ingrid Bergman, senti o peso das palavras (e de toda a amargura externada por elas) e a hecatombe que podem causar quando usadas (in)devidamente.

Atirem no Pianista (François Truffaut /1960)
Uma das qualidades mais louváveis dos filmes do francês é justamente o que me faz relevar positivamente seu cinema: a versatilidade informal. Truffaut navega nos arredores de um texto aparentemente humorístico e injeta nele uma vitalidade que dá cor (no abstrato, claro), drama, suspense..., enfim, uma personalidade completa e sensível a seu filme. É um cineasta que sempre me pareceu extremamente simples enquanto filmava, tamanha a espontaneidade congênita de seus filmes. Atirem no Pianista, embora não seja um momento memorável de sua filmografia, é daqueles que acalmam os nervos e refrescam os ânimos, quase um gole de Coca no deserto.


Viver a Vida (Jean-Luc Godard /1962)
Lá pelos 30 minutos de filme, quando você já está imerso no universo autoral e hermético de Godard, Anna Karina, por não saber mais onde focar, lança os olhos para a câmera num movimento bruto, arisco, quase como um bote de uma cobra, e fica encarando o espectador por segundos que parecem intermináveis. Olhar de frente aquela figura de ar gélido, questionador, indiferente aos demais mortais e portadora de uma beleza enigmática causa uma sensação de impotência e angústia, o que só me faz admirá-la e a seu mentor com maior intensidade. Nota-se, a partir deste jogo estético, o interessante diálogo que o cinema de Godard se propõe a realizar com quem o assiste. A discussão sobre os padrões sociais e o repensamento de todo um comportamento feminino agora desmistificado servem para o diretor francês compor um belo filme, com sua singular e poética assinatura.

Fahrenheit 451 (François Truffaut /1966)
Baseado no romance do norte-americano Ray Bradbury (cujo livro estou à procura), o filme pode não ter agradado a muitas pessoas (inclusive o próprio Truffaut não ficou satisfeito com o resultado final), mas é de um lirismo que se sobressai em meio ao teor de ficção-científica adotado pela história, coisa que só um talento do porte do francês consegue engendrar de forma brilhante. Uma crítica contundente ao totalitarismo, à manipulação ideológica que se via evidente nos idos anos 60 e à perda de identidade de uma sociedade que se via (e hoje se vê) cada vez mais esfacelada, descaracterizada e privada do direito à leitura. O final, onde as pessoas se transformam em livros, é daquela poesia que te faz querer ser um personagem de um filme de Truffaut e, neste caso, também virar uma obra. Quem você seria?

Carmen de Godard (Jean-Luc Godard /1983)
Metáforas, lindas metáforas.

Vôo United 93 (Paul Greengrass /2005)

Diamante de Sangue (Edward Zwick /2006)
Morrer sentado numa montanha em plena savana africana, com uma vista linda e bucólica de todo o ambiente natural que o cerca e ainda ter Jennifer Connelly ao telefone falando que adorou te conhecer não é nada mal.

Heróis Imaginários (Dan Harris /2004)



 


é isso aí, bicho

 

15.1.07


[4:40 AM]

MELHORES FILMES DE DOIS MIL E SEIS


1. O Novo Mundo, de Terrence Malick

2. Os Infiltrados, de Martin Scorsese


3. Caché, de Michael Haneke

4. Match Point, de Woody Allen

5. O Céu de Suely, de Karim Aïnouz

6. A Lula e a Baleia, de Noah Baumbach

7. Boa Noite e Boa Sorte, de George Clooney

8. Volver, de Pedro Almodóvar

9. Dália Negra, de Brian de Palma

10. O Segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee




subseqüentes, desordenadamente: O Plano Perfeito, de Spike Lee; Vôo United 93, de Paul Greengrass; O Homem-Urso, de Werner Herzog; O Ano Em Que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger; 2046, de Wong-Kar Wai etc.




 


é isso aí, bicho

 

11.1.07


[5:34 PM]

um ou dois planos pra 2007:


- ver mais filmes, em primeiro lugar. na verdade o essencial era arrumar um emprego numa boa locadora, com um acervo legal, porque tá cada dia mais caro o aluguel de filmes, e a minha grana chorada não aguenta muita coisa.

- ir num bom show. é o mínimo que posso exigir para o ano ser realmente satisfatório. Ano retrasado vimos os Strokes, em 2006 foi a vez dos Rolling Stones, esse ano bem que o Bowie podia dar uma descida aqui pra esses cantos, não?

- ler mais livros. Caso venha a acontecer a aprovação numa faculdade, isso será inevitável. Mas que não sejam apenas os didáticos ou os forçados pelo curso.

- comprar uma barba postiça e falsificar uma identidade para poder viajar de graça interestadualmente nesse pacote que o governo tá oferecendo e que foi aprovado ontem.

- viajar pro interior de Minas Gerais. Cidades históricas, Ouro Preto, Mariana, Tiradentes... Ou então pra um lugar qualquer que reverta más expectativas.

- aprender a tocar guitarra, ou baixo, ou bateria. Mas se rolar só um violão também tá beleza.


- postar com maior frequência e visitar os blogs de amigos.


- conhecer uma, aquela, a esperada.

- ser menos ambicioso e mais realista.



 


é isso aí, bicho

 

 


[ eu ]

samuel lobo
24
brasil
 


[ leio ]

caderno do cinema
filmes do chico
mesmas letras
trabalho sujo
chip hazard
superoito
passarim
 
[ visito ]

cinética
ilustrada
cinema em cena
IMDb
 
[ estante ]

last.fm
twitter
rym
mail
 
[ arquivos ]

Novembro 2005 Maio 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008 Janeiro 2009 Fevereiro 2009 Março 2009 Abril 2009 Maio 2009 Junho 2009 Julho 2009 Agosto 2009 Setembro 2009 Outubro 2009 Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Agosto 2010 Setembro 2010 Novembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Junho 2012